23.1.13

uma carta coreográfica



Olá Monologers!


Hoje tenho muito para vos dizer!

Como já referi em posts anteriores, estive a trabalhar para um trabalho que surgiu da exposição “Uma carta coreográfica” (Abril, 2009) de Madalena Victorino. Esta exposição/projeto ligava a dança contemporânea com a fotografia, e foi concebida para assinalar o Dia Mundial da dança no Teatro da Cerca de São Bernardo. O projeto está dividido em duas partes: “O corpo como adivinha”, e “A dança como fábula”. O meu trabalho chama-se “Corpo desafio”, ou seja, faz parte da primeira categoria que mencionei. Contêm imagens e um texto, e a partir desses elementos tivemos que criar uma coreografia. O texto dava muitas indicações de possíveis movimentos e as fotografias deram uma noção mais realista dos movimentos, o que também contribuiu muito para a criação das coreografias! Deixo-vos aqui o texto que trabalhei, “Corpo Desafio”.
Quarto segredo
Conquistar-se a si próprio.

Conquistar, medir forças, puxar, ultrapassar, querer

Conseguir, aguentar, crescer, saber, envelhecer

Conseguir contrariar o peso.



Segredo coreográfico para dançar (aqui)

O peso do corpo pode ser leve, forte, ou pesado. Leve, quando nos esquecemos de pisar o chão; forte, quando vencemos a gravidade e a dificuldade; pesado, quando abandonamos tudo.

Caminhe com passos pequenos.

Acelere o passo até este se transformar num deslizar parecido com o andar de patins. Nesse momento, carregue um grande peso às costas. Observe a transformação dos seus passos.

Coloque-se num ponto do espaço. Cole os pés ao chão e enraíze o seu peso até sentir uma força que puxa: puxa para um lado, para o outro, para a frente, para trás. Experimente inclinar-se até ao limite do equilíbrio. Escolha uma postura de entre as imagens, reproduza-a petrificando, até sentir um som que quebre a quietude do corpo.

Tente fazer mortais com as mãos, com os tornozelos, com os cotovelos e com os joelhos.

Ande, corra e salte na direção da terra.
Este trabalho foi um dos trabalhos que mais gostei de fazer porque como eu já referi, eu sou apaixonada pelo movimento e está muito ligado às sensações, as coisas foram vividas à flor da pele, deixei o corpo falar e a música a acompanhar.

A minha turma e o meu professor gostaram muito do resultado final e cada elemento falou um pouco sobre o que viu, obtive comentários muito positivos e fiquei muito contente por ter conseguido transmitir aquilo que queria! Tive grandes sensações ao realizar este trabalho, foi genial! (Algumas fotografias do trabalho.)



Monologers, aproveito para vos relembrar que amanhã estreia a peça “A Paixão do Jovem Werther” na Casa de teatro de Sintra às 21H30. Escrevi um post sobre esta peça, podem vê-lo aqui (Eu vou lá estar!). Relembro também que na Sexta-feira irá realizar-se o espetáculo “Poemas de Bertolt Brecht & Fragmentos” na Escola Secundária de Santa Maria às 19H e é grátis, também escrevi um post sobre este espetáculo, podem consultá-lo aqui


“A linguagem do Movimento é tal e qual como o vento. Não tem forma, é abstrato, é lento e forte, causa arrepios e não contém apenas um único sentido.” Cirila Bossuet.
Com um beijinho repleto de Arte. Cirila Bossuet.
 

Monologers Hello!
Today I have much to tell you!
As I mentioned in previous posts, I've been working for a work that emerged from the exhibition "A letter choreographic" (April, 2009) of Madalena Victorino. This exhibition / project linking contemporary dance with photography, and was designed to mark the World Day of Theatre Dance in Teatro da Cerca de São Bernardo.
The project is divided into two parts: "The body as a riddle," and "Dance like fable." My work is called "Body Challenge" and is part of the first category I mentioned. Contain images and text, and from these elements we had to create a choreography. The text gave many indications of possible movements and the photographs gave a more realistic sense of movement, which also contributed to the creation of choreography! I leave you here the text that worked, "Body Challenge".

Secret number four
Conquer himself.
Conquer, measuring forces, pull, overcome, want
Achieve, hold, grow, learn, grow old
Getting counteract the weight.

Secret to dance choreography (here)
The body weight can be lighter, stronger, or heavy. Lightweight, when we forget to step on the floor; stronger when we won the gravity and difficulty; heavy when we abandon everything.
Walk with small steps.
Accelerate the pace until it become a slide similar to rollerblading. Right now, carry a big weight on his back. Note the transformation of your steps.
Put up a point in space. Cole feet on the ground and take root its weight until feeling a force that pulls: pulls one side to the other, forward, backward. Try leaning up to the balance. Pick a stance between images, petrifying play it until you feel a sound that breaks the stillness of the body.
Try deadly hands, ankles, elbows and knees.
Walk, run and jump towards the earth.  
This work was one of the works that I liked to do because as I said, I'm in love with movement and is closely linked to sensations, things were lived on edge, let your body talk and music to follow.
My class and my teacher really liked the end result of each element and talked a bit about what you saw, I got very positive feedback and I was very pleased to have achieved what we wanted to convey! I had great feelings to carry out this work, it was brilliant!
(Images are on top)
Monologers, take this opportunity to remind you that tomorrow theater debut "The Passion of Young Werther" at the House Theatre of Sintra at 21:30. I wrote a post about this theater can see it here (I'll be there!). I recall too that on Friday will hold up the show "Bertolt Brecht Poems & Fragments" at the High School of Santa Maria and the 19H is free, also wrote a post about this show, can refer to it here.
"The language of movement is just like the wind. Has no form, is abstract, is slow and strong, cause chills and does not contain a single direction."Cirila Bossuet.
With a kiss full of Art, Cirila Bossuet